Fim de linha: confissão de Palocci é mortal para Lula

Presidente Lula conversa com o Ministro Antonio Palocci na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social no Palácio do Planalto. Brasília, 10-03-2005. Foto- Marcelo Botelho-ObritoNews.

Pelo que os advogados relataram, nessa quarta-feira (6) Antonio Palocci deu um tiro mortal em Lula em depoimento ao juiz Sérgio Moro. Os vídeos da confissão de Palocci ainda foram mais contundentes.

Ele contou que Lula e Emílio Odebrecht, parceiro e patriarca na empresa, fizeram um “pacto de  sangue”para o recebimento de um pacote de propina no valor de R$ 300 milhões, a ser pago durante o primeiro governo Dilma.

Desse montante, R$ 4 milhões foram destinados pessoalmente a Lula.

Palocci confirmou a delação de Marcelo Odebrecht sobre o Instituto Lula e outras propinas que teriam sidos pagas ao PT e a Lula.

Tão relevante quanto isso foi a informação de que Dilma, convocada por Lula, abençoou essas transações.

Disse que havia um grupo no PT para tratar disso, tendo se reunido inclusive na casa de Lula. Participaram dele, além de Lula e do próprio Palocci, Paulo Okamoto, Roberto Teixeira e José Carlos Bumlai.

Por qualquer ângulo que se olhe, a casa caiu.

O que surpreende, por tudo o que se sabe, é por que demorou tanto.

Fim de linha.