Helena Chagas

Helena Chagas
772 TEXTOS 0 Comentários
Jornalista, formada na Universidade de Brasília em 1982. De lá para cá, trabalhou como repórter, colunista, comentarista, coordenadora, chefe de redação ou diretora de sucursal em diversos veículos, como O Globo, Estado de S.Paulo, SBT e TV Brasil (EBC). Foi ministra chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República de janeiro de 2011 a janeiro de 2014.

CNA x UDR brigam pela Agricultura bolsonarista

Até os conservadores da bancada do agronegócio acham Nabhan Garcia, presidente da UDR, direitista demais

Michel quem?

Michel e mais três centenas de parlamentares podem estar se preparando para ir para o outro lado da lua, mas até lá ainda têm a caneta e o voto, e vão usá-los em toda a plenitude...

Ciro Gomes dá “apoio agressivo” porque continua em campanha

As lideranças da centro-esquerda preferiram passar à história como quem sai de fininho -e, com isso, tornarem-se responsáveis também pela incerteza que vem aí - com a justificativa do ressentimento político pelas rasteiras que levaram do PT. Mas não se trata só disso. Cada um pensa no seu interesse

Justiça Eleitoral analógica leva surra da mentira digital

As eleições de 2018 vão passar à história como o maior festival de notícias falsas, calúnias e empulhação de que já se teve notícia numa democracia de massas moderna - pior até do que a Trumplândia

Intolerância – é esse o Brasil que a gente quer?

É como se, à medida em que seu candidato avança, vencendo o primeiro turno e liderando o segundo, além de criar filhotes nos estados, alguns eleitores venham se sentindo mais confiantes para cometer atos violentos e exercitar o radicalismo e a brutalidade

PIB descobre contradição básica do governo Bolsonaro

O antipetismo do mercado e de parte do PIB desenhou, no primeiro turno, um conto de fadas no qual o dragão da esquerda seria morto pelo príncipe encantado do liberalismo. Não é bem assim

Boletim médico salva Bolsonaro de confronto direto com Haddad

É bastante conveniente, para Bolsonaro, manter a estratégia que o protegeu de debates mais desafiadores e sabatinas mais duras em boa parte do primeiro turno

Lula diz a Haddad para não visitá-lo mais na cadeia

Lula deixou claro, indiretamente, que chegou o momento de Haddad ser mais Haddad e menos Lula, autorizando a inflexão que o candidato terá que fazer para se aproximar do eleitorado de centro

PP e centrão onde sempre estiveram: prontos para entrar em qualquer governo

O que essa neutralidade quer dizer? Quer dizer que a bancada pepista de 37 deputados e cinco senadores que acaba de se eleger está pronta para apoiar o próximo presidente, Bolsonaro ou Haddad. Em troca, claro, vai querer um ou dois ministérios

No JN, Bolsonaro foi inteiramente Bolsonaro e Haddad foi menos Lula

Jair Bolsonaro acertou um direto no queixo de seu vice, general Hamilton Mourão, afirmando que lhe falta tato e experiência política

Veja também

Guerra de palavras – Bolsonaro versus Haddad

Mesmo com os programas da propaganda política do Tribunal Superior Eleitoral no ar – cuja finalidade original é garantir aos candidatos apresentarem no rádio...

Michel quem?