Voltando no tempo: há dois anos, Cunha acatava pedido de impeachment de Dilma

Ao lado de Eduardo Cunha, o deputado Beto Mansur lê o pedido de abertura do processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff. Foto Orlando Brito

Hoje, 2 de dezembro de 2017, faz dois anos que o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, aceitava o pedido de impeachment da também então presidente da República, Dilma Rousseff.

O deputado Eduardo Cunha deu entrevista coletiva no Salão Verde para anunciar que aceitava o processo de cassação de Dilma, feito pelos juristas Hélio Bicudo, Janaína Paschoal e Miguel Reale Jr, protocolado na Câmara em 21 de outubro. Acusavam Dilma de atos ilícitos em sua gestão à frente do governo, denominados como “pedaladas fiscais”.

Era o início de tempos de crises e turbulência que mudaram a história do Brasil, com verdadeiras batalhas no campo político e jurídico. A reação dos partidários de Dilma foi estridente, com discursos no Congresso e, nas ruas, conflitos e confrontos dos contrários e favoráveis ao impeachment.

Após meses de tramitação nas duas Casas do Legislativo, Dilma foi afastada em definitivo, com a votação no Senado de 61 votos contra 20, em 31 de agosto de 2016, em sessão que varou a madrugada, presidida pelo então presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski. No lugar da senhora Rousseff no Palácio Planalto assumiu o vice Michel Temer.

Daquele dia 2 de dezembro de 2015 até hoje a vida dos personagens desse episódio mudou bastante. E como. Dilma, agora ex-presidente, mudou de endereço. Não mora mais no Palácio Alvorada. Agora divide sua residência entre o Rio e Porto Alegre.

Eduardo Cunha também não mora mais em Brasília, na confortável residência oficial na Península do Lago Sul, e sim numa cela de 12 metros quadrados da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Após ser destituído da presidência da Câmara e perder o mandato parlamentar, foi preso pela Operação-Lava-Jato.

No dia em que a Câmara dos Deputados aceitava o pedido de impeachment contra ela, a presidente Dilma Rousseff faz reunião com minisros e parlamentares de sua base aliada do Planalto. Foto Orlando Brito
No dia em que a Câmara dos Deputados aceitava o pedido de impeachment contra ela, a presidente Dilma Rousseff faz reunião com ministros e parlamentares de sua base aliada no Planalto. Foto Orlando Brito
A entrevista em que Eduardo Cunha declara que aceitou o pedido de impeachment de Dilma. Foto Orlando Brito
A entrevista em que Eduardo Cunha declara ter aceito o pedido de impeachment de Dilma. Foto Orlando Brito

 

 

Deixe seu comentário