Série “Perfis Brasileiros” – A vergonha de Kid Morengueira

Moreira da Silva, o Kid Morengueira. Foto Orlando Brito

A violência e a criminalidade dos tempos atuais encheriam de vergonha, medo e desgosto o sambista carioca Moreira da Silva, conhecido como o “Rei dos Malandros”.

Nascido no tradicional bairro da Tijuca em abril de 1902 e falecido em junho de 2000, o cantor marcou seu nome hall da fama da música brasileira com sambas bem-humorados que abordavam a peleja entre bandidagem e polícia. Freqüentador dos bares e da boemia orgulhava-se de jamais ter se metido em uma briga sequer.

Amigo de Noel Rosa, Mário Lago, Ismael Silva e Lamartine Babo, fez sucesso com um repertório de quase 400 gravações, entre elas “Acertei No Milhar”, “Piston de Gafieira” e “Na Subida do Morro”, todas usando como pano de fundo os subúrbios e o centro do Rio de Janeiro. Em “Olha o Padilha”, Kid Morengueira, como era também conhecido, dizia que: “malandragem é glamour, mas violência é crime”.

Em 1992, usou os costumeiros terno branco e chapéu de palhinha para posar o meu livro de fotos “Senhoras e Senhores”.

Deixe seu comentário