Mortes no trânsito – A viúva Cristina Maria e os filhos Guilherme e Gutemberg

Dois de junho de 2013, dez horas da noite, no bairro Barra de Jangada, em Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco. Cristina Maria da Silva, de 37 anos, saia da missa na capela de Santo Antônio e ficou curiosa quando viu uma aglomeração de pessoas na esquina. Ao chegar ao local deparou-se com a cena mais triste de sua vida: a morte do seu próprio marido.

Givanildo Geraldo da Silva era garçom de um restaurante na Praia de Boa Viagem, em Recife. Quando voltava para casa, sua moto foi abalroada por um carro em alta velocidade. Ficou em coma durante três dias, mas não resistiu. Deixou além da esposa Cristina Maria, dois filhos: Guilherme e Gutemberg, de 11 e 13 anos.

“Casamos no interior de Pernambuco e viemos para uma cidade grande na esperança de construir nossa vida. Ele conseguiu um emprego e eu me ocupei de cuidar dos dois filhos pequenos e da casa simples. Nosso sonho terminou repentinamente por conta de um bêbado ao volante. Agora, só vejo um futuro incerto para mim, Guilherme e Gutemberg,  menores, em idade escolar. E sem pai” (a viúva Cristina Maria)

“Meu sonho é ser policial quando for adulto. Quero combater todas as injustiças, como essa de ver solto o assassino do meu pai” (Guilherme caçula, filho de Gilvanildo)

———————-

Fui convidado para realizar uma série fotos que abasteceram uma campanha contra a violência no trânsito, do Ministério das Cidades. O projeto intitulado tinha a finalidade de, por meio de fotografias, sensibilizar condutores de veículos a dirigir com responsabilidade para evitar acidentes. As mortes por acidentes no trânsito são tema que afligem milhares, milhões de pessoas. Assunto sério.

Evidentemente, antes de dar início ao trabalho, eu tinha a certeza de que iria estar diante de personagens definitivamente marcados pela dor, pelo sofrimento, pela morte, pela perda de um ente querido, um familiar, um amigo, um conhecido.

Mesmo sendo um fotojornalista acostumado ao longo de anos a estar frente a frente de fatos os mais variados, de catástrofes e tragédias, não podia imaginar iria encontrar tanto sofrimento.

Entrei em contato, através de entidades que reúnem familiares de pessoas vitimadas por acidentes e, durante semanas me comuniquei com elas por e-mail e por telefone. Expliquei-lhes da importância de emprestarem sua imagem em benefício da causa. Para minha surpresa, nenhuma delas de opôs. Ao contrário, se dispuseram a posar para uma foto expressando sua dor, sua revolta, o clamor pela punição dos culpados.

Passei noites sem dormir e dias a fio concentrado, preocupado em dar um conceito ao conjunto de fotos. Pedi a cada um dos personagens – residentes em pequenas e grandes cidades de vários estados do País – que me enviasse uma fotografia de seu familiar falecido. Mandei imprimir a foto de todos e colocá-las num porta-retratos para estes tomarem parte da cena.

Pensei em luz, ângulos, planos, objetivas. Queria que o rigor estético fosse de extrema importância para conferir emoção a cada imagem. Queria a marca do jornalismo presente em cada situação. Só não me lembrei: nada é mais forte que o sentimento do ser humano e suas dores.

Logo na primeira sessão de fotos, o conceito e o padrão que eu traçara caíram por terra. Perderam de longe para a realidade em frente à minha câmara. Então, pude ver que a força das lágrimas, da consternação, da tristeza e, enfim, da dor de cada pessoa eram imbatíveis.

Em nome de atingir meu objetivo (cada imagem prender a atenção de quem a ver), pensei fazer fotos em preto-e-branco. A ausência das cores poderia oferecer maior dramaticidade. Depois, refleti se deveriam ser coloridas porque os matizes dariam maior caráter de realidade ao drama presente. Mas, ao ouvir uma senhora que perdeu o filho adolescente, optei pela técnica do Photoshop que reduz a força de cada cor. E o que disse-me mãe, com palavras carregadas de consternação?

– Ao receber a notícia da morte do meu filho, perdi a noção das distâncias, a precisão dos aromas, a delícia dos sabores e a beleza das cores.

Indescritível a sensação de colocar meu ofício para a finalidade de captar a aflição no seu mais alto grau. Não deixo de me recordar do livro “Diante da dor dos outros”, da ensaísta americana Susan Sontag, falecida em 2004. A escritora faz uma densa análise do que sente um fotógrafo com a missão de captar a amargura do ser humano.

Orlando Brito

COMPARTILHAR
Artigo anteriorManuela amplia alcance da mensagem e mantém liderança no Twitter
Próximo artigoA ideologia das cores na Copa
Um dos mais conhecidos e premiados fotógrafos do país, Orlando Brito nasceu em Minas e chegou a Brasília ainda menino, no início de sua construção, em 1956. Fez viagens por mais de 60 países, em coberturas presidenciais, papais e esportivas, como Copas do Mundo e Olimpíadas. Tem seis livros publicados e quatro outros no prelo. Recebeu vários prêmios, entre eles o Press Photo do Museu Van Gogh. de Amsterdã. Onze vezes Prêmio Abril de Fotografia. Bolsa da Fundação Vitae, de São Paulo, em 1991. Várias exposições individuais e obras no acervo de diversos museus do mundo.