Mercedes Sosa, a voz da liberdade

Década de 1980: na volta do exílio na Europa, a cantora argentina Mercedes Sosa faz show no Brasil.

Em 1982 o tempo brabo do regime militar já havia passado, com o processo de abertura política, o fim do AI-5 no período do presidente Geisel, e a Anistia com João Figueiredo.

Portanto, depois do período de censura à imprensa, ao teatro, cinema e música, artistas de todos as matizes podiam apresentar suas canções, antes proibidas. Mercedes Sosa era uma deles. Fazia parte do chamado grupo de artistas democratas da América Latina. Em seu país, dirigido por generais durante década e meia, a artista foi perseguida e teve de exilar-se em Paris e Madri. Só pode retornar a Buenos Aires, às vésperas do governo de Raúl Alfonsín.

Foto-jornalista metido em coberturas de todo tipo, não perdi a chance de ir fotografá-la no Teatro Nacional de Brasília. Ainda me recordo de quando, ao final de sua apresentação, Mercedes agradeceu os aplausos:
– Amigos do Brasil, trago em minha voz da luta pela liberdade.

(Mercedes Sosa morreu Buenos Aires no dia 4 outubro de 2009, aos 74 anos)

Orlando Brito.

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorCaem índices de crimes contra o patrimônio no DF
Próximo artigoComo a corrida ao Planalto pode virar prova de múltipla escolha para o PMDB
Orlando Brito
Um dos mais conhecidos e premiados fotógrafos do país, Orlando Brito nasceu em Minas e chegou a Brasília ainda menino, no início de sua construção, em 1956. Fez viagens por mais de 60 países, em coberturas presidenciais, papais e esportivas, como Copas do Mundo e Olimpíadas. Tem seis livros publicados e quatro outros no prelo. Recebeu vários prêmios, entre eles o Press Photo do Museu Van Gogh. de Amsterdã. Onze vezes Prêmio Abril de Fotografia. Bolsa da Fundação Vitae, de São Paulo, em 1991. Várias exposições individuais e obras no acervo de diversos museus do mundo.