Há dois anos, o impeachment de Dilma era votado na Câmara

Plenário da Câmara, presidida por Eduardo Cunha, aceita processo de afastamento de Dilma Rousseff. Foto Orlando Brito

Após longa e tensa sessão — que começou, na verdade, dois dias antes, em 15 de abril, e acabou somando 53 horas — o plenário da Câmara dos Deputados, à época presidida por Eduardo Cunha, aprovou a aceitação do processo de impeachment contra Dilma Rousseff. O “sim” pela adoção obteve 367 votos. O “não”, 137. E as abstenções foram 7.

O pedido de impeachment oferecido pelo jurista Miguel Reale Jr foi aceito por Eduardo Cunha. Após o processo passar pela Comissão de Justiça da Câmara, chegava a hora de ser apreciado pelo plenário. A então presidente da República era acusada de ter editado decretos não previstos no Orçamento sem a devida autorização do Congresso, as chamadas pedaladas fiscais.

Miguel Reale defende o impeachment de Dilma da tribuna da Câmara. Foto Orlando Brito

A adoção na Câmara, porém, não afastou imediatamente do cargo a presidente Dilma. O processo obedeceu o rito previsto na Constituição, seguiu para votação no Senado, o que aconteceu em 31 de agosto, em sessão presidida pelo ministro Ricardo Lewandowski. O placar foi de 61 votos a favor do impeachment e 20 contra.

Antes, a senhora Rousseff compareceu ao plenário Senado para fazer ela mesma sua defesa perante os parlamentares. O ex-presidente Lula esteve presente, acompanhado por lideranças do Partido dos Trabalhadores para assistir a sessão das galerias. Com a aprovação do impeachment nas duas Casas do Legislativo, Dilma foi afastada. Em seu lugar no Planalto, assumiu o vice Michel Temer.

Dilma Rousseff discursa durante a sessão do impeachment no Senado. Ao seu lado, Vicentinho Alves, Renan Calheiros e Ricardo Lewandowski. Foto Orlando Brito

 

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorMeirelles e as urnas
Próximo artigoDilma Rousseff candidata ao Senado em Minas
Orlando Brito
Um dos mais conhecidos e premiados fotógrafos do país, Orlando Brito nasceu em Minas e chegou a Brasília ainda menino, no início de sua construção, em 1956. Fez viagens por mais de 60 países, em coberturas presidenciais, papais e esportivas, como Copas do Mundo e Olimpíadas. Tem seis livros publicados e quatro outros no prelo. Recebeu vários prêmios, entre eles o Press Photo do Museu Van Gogh. de Amsterdã. Onze vezes Prêmio Abril de Fotografia. Bolsa da Fundação Vitae, de São Paulo, em 1991. Várias exposições individuais e obras no acervo de diversos museus do mundo.