Cotidiano popular, tal e qual Adoniran

Seu Francisco, a família e toda sua mudança. Foto Orlando Brito

Ano de 2010. Rodovia que corta a Chapada do Araripe, na divisa de Ceará, Pernambuco e Piauí: na pequena carroça, a mudança de uma família da região. Seu Francisco, a mulher, os três filhos, uma cadelinha, uma tevê, um espelho quebrado, um carrinho de mão, algumas panelas e muito bom humor.

Como foi – O compositor Adoniran Barbosa, falecido em 1982, era um dos reis da crônica popular musical do Brasil. Quem não se lembra do “Trem das Onze”, de “Saudosa Maloca” ou de “Iracema” e tantas outras melodias que exprimem com dureza e maestria a realidade das pessoas simples? Suas músicas narram o drama sentimental e cruel de uma situação. São “fotografias” de um acontecimento, de um personagem.

Na letra da canção “Despejo na Favela”, Adoniran conta a terrível hora de um pobre operário deixar o barraco em que mora, “cumprindo ordem superior”. Resignado, o pacato cidadão diz ao Oficial de Justiça que sua mudança “é tão pequena que cabe no bolso de trás”. Sintetiza sua pobreza numa mistura de franqueza e pureza.

Sempre que posso, viajo para o interior desse paraíso de imagens que é o Brasil. Vou em busca de fotos diferentes do meu dia-a-dia na cobertura do poder em Brasília. Dessa vez eu estava longe dos gabinetes envidraçados e salões entapetados. Estava no coração do Nordeste. Foi quando me deparei com essa comovente cena.

Não tive dúvida, no mesmo momento parei o automóvel para retratar seu Francisco, a mulher e os três filhos pequenos. A mudança de toda a família era tão pequena que cabia numa também pequena carroça. Achei a situação bem parecida com a canção do saudoso e brilhante Adoniran.

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorO misterioso desaparecimento de Marina Silva
Próximo artigoRoberto Requião, senador da República
Orlando Brito
Um dos mais conhecidos e premiados fotógrafos do país, Orlando Brito nasceu em Minas e chegou a Brasília ainda menino, no início de sua construção, em 1956. Fez viagens por mais de 60 países, em coberturas presidenciais, papais e esportivas, como Copas do Mundo e Olimpíadas. Tem seis livros publicados e quatro outros no prelo. Recebeu vários prêmios, entre eles o Press Photo do Museu Van Gogh. de Amsterdã. Onze vezes Prêmio Abril de Fotografia. Bolsa da Fundação Vitae, de São Paulo, em 1991. Várias exposições individuais e obras no acervo de diversos museus do mundo.