Congresso retoma trabalhos após recesso parlamentar

Para um plenário praticamente vazio, a deputada Mariana Carvalho lê o relatório de Paulo Abi-Ackel, aprovado na CCJ.

Com o número baixo parlamentares registrados na lista de presença no plenário, a Câmara dos Deputados volta a funcionar para sua pauta regular de trabalhos, em um segundo semestre repleto de questões importantes a resolver. Serão longas sessões, com exaustivas discussões e, por fim, votações.

O primeiro dos temas é a denúncia por corrupção passiva — em decorrência da delação premiada do dono do Grupo JBS, Joesley Batista — contra o presidente da Michel Temer. O processo é de autoria do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, e enviada à Câmara pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Assim que a sessão foi aberta, a deputada Mariana Carvalho, do PSDB de Rondônia e Segunda-Secretária da Mesa, leu o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel, aprovado na Comissão de Constituição e Justiça antes do recesso e que recomenda o arquivamento da denúncia. Assim, a votação da denúncia pode se realizar amanhã.

Relembrando: para a denúncia ser aceita é necessário que obtenha 342 votos contra o processo. Se não, fica sem efeito. Há expectativa tanto da oposição quanto da base de apoio de Michel Temer. Um lado prevê o afastamento, o outro o arquivamento.

O Senado também retoma seus trabalhos, com agenda mais amena, porém importante para a sociedade. O primeiro item a ser discutido é o projeto que unifica a alíquota do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços  que incide sobre o combustível dosa aviões. Também a que decide sobre investimentos para a implantação de novas salas de cinema. Também uma Proposta de Emenda à Constituição, de autoria do senador Antonio Anastasia, que simplifica a prestação de contas dos pequenos municípios. E ainda, outra PEC, do senador Jorge Viana, que torna sem prescrição os crime de estupro.

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPara ganhar no plenário, vale até gol de mão
Próximo artigoPSDB não sabe se casa ou se compra uma bicicleta
Orlando Brito
Um dos mais conhecidos e premiados fotógrafos do país, Orlando Brito nasceu em Minas e chegou a Brasília ainda menino, no início de sua construção, em 1956. Fez viagens por mais de 60 países, em coberturas presidenciais, papais e esportivas, como Copas do Mundo e Olimpíadas. Tem seis livros publicados e quatro outros no prelo. Recebeu vários prêmios, entre eles o Press Photo do Museu Van Gogh. de Amsterdã. Onze vezes Prêmio Abril de Fotografia. Bolsa da Fundação Vitae, de São Paulo, em 1991. Várias exposições individuais e obras no acervo de diversos museus do mundo.