Brasília, uma pequena cidade grande

Eixão do Lazer: durante a semana, pista para automóveis e, aos domingos, espaço para diversão de crianças e adultos. Foto Orlando Brito

O IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística acaba de divulgar novos números do censo populacional do Brasil. Agora somos quase de 208 milhões de habitantes, espalhados nos 27 estados e no Distrito Federal. Aliás, um dos dados que mais surpreende é justamente a quantidade de moradores de Brasília.

A capital do País, segundo a pesquisa do IBGE, chegou nesse ano a 3 milhões de residentes. Na verdade, esse número se refere aos moradores do Plano Piloto, das chamadas cidades-satélites e condomínios residenciais. Porém, se consideramos o chamado entorno, que compreende a denominada Região Integrada de Desenvolvimento DF, ou seja, as vizinhas cidades de Goiás, essa quantidade chega a 4 milhões e 400 mil pessoas.

Segundo essa nova estatística, o Distrito Federal passa a ser o terceiro núcleo habitacional do Brasil, com Salvador em quarta posição. O primeiro lugar segue sendo o estado de São Paulo, com 45 milhões. E o menor, Roraima, com pouco mais de 520 mil habitantes. O Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, considerado um dos melhores do mundo, é o terceiro de maior movimento do País, com 14 milhões de passageiros por ano, atrás somente de Congonhas e Guarulhos.

A “floresta” de edifícios vista do alto da Torre de Tevê. Não parece Brasília, mas é. Foto Orlando Brito

Brasília, porém, assim como a grande maioria de outras cidades dos estados, encontra problemas de infra-estrutura na área de transporte, segurança, saúde. E, em alguns casos, de ordenamento urbano, como se vê nessa foto aí da “floresta” de prédios de Águas Claras, com o Guará e o Park Sul em primeiro Plano, feita do alto da Torre de Tevê.

Nas quadras, super-quadras e parques das satélites vastas áreas verdes para deleite dos habitantes. Foto Orlando Brito

A marca de Brasília continua sendo as abundantes áreas verdes, com árvores frutíferas plantadas ao longo das pistas e quadras, mesmo com os baixos índices de chuva. As áreas de lazer também são outra grande atração da nova capital do Brasil, seja no Lago Paranoá ou nos eixos do Plano Piloto, ou nos parques das satélites.

Como demonstra o censo do IBGE, a cidade idealizada por JK — que nasceu dos traços do arquiteto Oscar Niemeyer, do urbanista Lúcio Costa e da beleza dos jardins do paisagista Burle Marx — extrapolou em muito a previsão de sua estabilidade demográfica. Nos idos de 1960, os cálculos que se faziam é que Brasília estaria somente agora com população em torno de dois milhões de habitantes. Mas o mundo mudou, o Brasil mudou. Nem por isso, porém, deixa de ser aprazível, agradável e acolhedora.

Lago Paranoá, lugar de diversão para visitantes e brasilienses. Foto Orlando Brito

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorTemer herdou de Dilma o poder e também o Complexo de Centopeia
Próximo artigoUm diálogo edificante: grampeador geral X ladrão geral da República
Orlando Brito
Um dos mais conhecidos e premiados fotógrafos do país, Orlando Brito nasceu em Minas e chegou a Brasília ainda menino, no início de sua construção, em 1956. Fez viagens por mais de 60 países, em coberturas presidenciais, papais e esportivas, como Copas do Mundo e Olimpíadas. Tem seis livros publicados e quatro outros no prelo. Recebeu vários prêmios, entre eles o Press Photo do Museu Van Gogh. de Amsterdã. Onze vezes Prêmio Abril de Fotografia. Bolsa da Fundação Vitae, de São Paulo, em 1991. Várias exposições individuais e obras no acervo de diversos museus do mundo.