Recessão derruba 11,2% do investimento de capital fixo em 2016

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), um dos principais indicadores de crescimento da economia, teve queda de 12,5% nos últimos 12 meses, na posição de novembro de 2016.

Estudo feito pelo economista Leonardo Mello de Carvalho, do Instituto de Política Econômica Aplicada (IPEA), indica ainda que o recuo do investimento de 1,1% ocorrido em novembro pela série com ajuste sazonal deixa um carregamento estatístico (carry-over) de -5,2% para o quarto trimestre de 2016.

Assim, a FBCF, segundo o IPEA, de 2016 deve ter uma queda de 11,2%, um pouco menos do que os 13,5% ocorridos em 2015.

Ao contrário do que a equipe do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, esperava para novembro, o investimento em máquinas e equipamentos  caiu 4,3%. O indicador da construção civil, por outro lado, subiu 1,8% sobre o mês de outubro.

A retomada do crescimento da economia em 2017, esperada para o segundo semestre, dependerá do aumento deste tipo de investimento que tem um efeito multiplicado sobre diversos outros setores produtivos da economia.

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorMedo da cadeia pode levar políticos a melhorar presídios
Próximo artigoGoverno de Brasília vai desocupar área de 5 milhões de m² no Guará
Ivanir José Bortot
Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com pós graduação em jornalismo econômico pela Faculdade de Economia e Administração(FAE) de Curitiba/PR. Repórter especializado em finanças públicas e macroeconomia, com passagens pela Gazeta Mercantil, Folha de São Paulo e Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Participou da cobertura de formulação e implementação de todos os planos econômicos do país deste o Plano Cruzado, em 1985, ao plano Real, de 1994. Sempre atuou na cobertura diárias das decisões de política econômica dos Ministério do Planejamento, Fazenda e Banco Central. Experiência em grandes coberturas de finanças como das reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional(FMI), do Banco Mundial(BIRD) e Banco Interamericano de Desenvolvimento(BID).