Recessão derruba 11,2% do investimento de capital fixo em 2016

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), um dos principais indicadores de crescimento da economia, teve queda de 12,5% nos últimos 12 meses, na posição de novembro de 2016.

Estudo feito pelo economista Leonardo Mello de Carvalho, do Instituto de Política Econômica Aplicada (IPEA), indica ainda que o recuo do investimento de 1,1% ocorrido em novembro pela série com ajuste sazonal deixa um carregamento estatístico (carry-over) de -5,2% para o quarto trimestre de 2016.

Assim, a FBCF, segundo o IPEA, de 2016 deve ter uma queda de 11,2%, um pouco menos do que os 13,5% ocorridos em 2015.

Ao contrário do que a equipe do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, esperava para novembro, o investimento em máquinas e equipamentos  caiu 4,3%. O indicador da construção civil, por outro lado, subiu 1,8% sobre o mês de outubro.

A retomada do crescimento da economia em 2017, esperada para o segundo semestre, dependerá do aumento deste tipo de investimento que tem um efeito multiplicado sobre diversos outros setores produtivos da economia.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMedo da cadeia pode levar políticos a melhorar presídios
Próximo artigoGoverno de Brasília vai desocupar área de 5 milhões de m² no Guará
Ivanir José Bortot
Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com pós graduação em jornalismo econômico pela Faculdade de Economia e Administração(FAE) de Curitiba/PR. Repórter especializado em finanças públicas e macroeconomia, com passagens pela Gazeta Mercantil, Folha de São Paulo e Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Participou da cobertura de formulação e implementação de todos os planos econômicos do país deste o Plano Cruzado, em 1985, ao plano Real, de 1994. Sempre atuou na cobertura diárias das decisões de política econômica dos Ministério do Planejamento, Fazenda e Banco Central. Experiência em grandes coberturas de finanças como das reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional(FMI), do Banco Mundial(BIRD) e Banco Interamericano de Desenvolvimento(BID).