Com dívida de R$ 2,9 tri, Tesouro é beneficiado pela queda de juros

Os principais beneficiários da redução de 13,75% para 13% da taxa básica de juros hoje pelo Banco Central são o Tesouro Nacional e o governo do presidente Michel Temer.

O efeito sobre o aumento do crédito, consumo ou decisão de investimento na economia real será mínimo e com efeito de longo prazo. Não me entenda mal, caro leitor, se passei a ideia de que não considero a decisão importante para a retomada do crescimento da economia. O que estou a dizer é que, de imediato, os seus efeitos serão muito pequenos na economia real, apesar da melhora das expectativas para os investidores.

Já para o Tesouro Nacional haverá uma economia equivalente a 0,75% sobre uma dívida pública mobiliária de R$ 946,4 bilhões que estará vencendo em 2017 e terá que ser  renegociada no mercado de um estoque total de R$ 2,961 trilhões.

Gastando menos com juros, cuja previsão orçamentária para este ano era de R$ 339 bilhões, há uma melhora no resultado fiscal. Com a inflação seguindo a trajetória da meta de 4,5%, o BC acabará ao longo de 2016 reduzindo mais as taxas de juros,  contribuindo para queda dos custos de rolagem da dívida.

A queda dos juros, de tabela, deverá afetar, por outro lado, a rentabilidade das aplicações de todo o recurso tomado pelos bancos junto aos poupadores. A rentabilidade dos que tem dinheiro no país vai cair e isso poderá tem algum efeito marginal sobre o consumo de bens e produtos desta classe média, o que ajuda no combate da inflação.

De imediato, o governo Michel Temer vai usar esta trajetória de queda de juros mais rápida do que o esperado pelo mercado para vender a ideia de controle da inflação e estímulo aos investimentos para tirar o país da recessão no segundo semestre do ano. Vamos aguardar os acontecimentos, mas a retomada do crescimento da economia com redução do desemprego deverá ser lenta e gradual, assim como os resultados fiscais do governo nos próximos anos.

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorQueda da indústria no nordeste, RJ e RS piora expectativas de crescimento
Próximo artigoEnfim, Temer produz boas notícias para chamar de suas
Ivanir José Bortot
Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com pós graduação em jornalismo econômico pela Faculdade de Economia e Administração(FAE) de Curitiba/PR. Repórter especializado em finanças públicas e macroeconomia, com passagens pela Gazeta Mercantil, Folha de São Paulo e Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Participou da cobertura de formulação e implementação de todos os planos econômicos do país deste o Plano Cruzado, em 1985, ao plano Real, de 1994. Sempre atuou na cobertura diárias das decisões de política econômica dos Ministério do Planejamento, Fazenda e Banco Central. Experiência em grandes coberturas de finanças como das reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional(FMI), do Banco Mundial(BIRD) e Banco Interamericano de Desenvolvimento(BID).