Ricardo Lacerda

9 TEXTOS 0 Comentários

Os escafandristas

As alianças sociais que se formaram nas disputas internas, e que estão refletidas na atual corrida eleitoral, são estarrecedoras, apesar de não serem inusitadas

Sentimento de hoje: ‘Andrade’ vai vencer a eleição presidencial

O poder de Lula de transferir votos já foi percebido pelo mercado. Em outras palavras, o tal "mercado" já percebeu que o tal "Andrade" pode vencer a eleição

Reforma trabalhista. Apesar das promessas, o mercado de trabalho piorou

A reforma trabalhista veio com a promessa de melhora do nível de emprego. Não foi o que aconteceu, como mostram os dados do IBGE

Superar a crise institucional é mais importante que resultado das eleições

As eleições de 2018 não vão, por si só, resolver os desajustes econômicos e sociais. É necessária uma construção política que fuja do retrocesso institucional

É urgente um pacto pela geração de emprego

Atenuar a crise do desemprego não é incompatível com a sustentabilidade fiscal. Mas gerar empregos é mais urgente

O Mercado procura

O chamado Mercado está órfão na sucessão presidencial. Geraldo Alckmin, o preferido, não empolga. Um Ciro Gomes comportado pode ser uma alternativa?

Fracassou o Plano de Transição, mas a demissão de Parente pode zerar o jogo

A queda de Pedro Parente é a melhor síntese desse momento, de fracasso da transição comandada por Temer e da rejeição popular à política econômica. Pode ser a deixa para um novo pacto.

Estamos sentados em um barril de pólvora?

Embora a atual crise dos combustíveis tenha contornos sem precedentes na história do Brasil, ainda não é suficiente para produzir mobilizações de rua como as de 2013. Leia na análise do economista e professor Ricardo Lacerda

Turbulências derrubam previsão de PIB e de emprego em 2018

Crise argentina, alta dos juros nos EUA, juros persistentemente altos, câmbio desvalorizado, empresas endividadas em dólar e, claro, a imprevisibilidade do cenário político-eleitoral derrubaram as perspectivas otimistas para 2018. O cenário, agora, é de baixo crescimento e lenta recuperação do emprego.

Veja também

A volta do “nosso guia”. Ou, como diria a hiena Hardy,...

Lula era o "nosso guia". Bolsonaro "nos guiará". Como dizia a hiena Hardy, da dupla Hanna-Barbera, "Oh, vida. Oh, céus. Não vai dar certo"

O futuro dos partidos