Luis Jorge Natal

20 TEXTOS 0 Comentários

Dançaram conforme a música

Ninguém foi perturbado

Mil palavras

Uma curta imagem da civilização

Fábrica de versões

Crentes seguem estúpidas narrativas

Não há meia história

O humor cessa quando o horror se impõe

Saudades do Palhares

Somos reféns do que há de pior

Vira-vira

O uso do cachimbo continua a entortar a boca.

O guia imortal

A lenda está a conduzir crentes

Crenças, velhos e velhacos

A comparação, inclusive por quem sofreu a repressão militar, dos horrores da ditadura com o Brasil de hoje é papo furado, um estelionato intelectual.

A morte do peixe

Hoje, Aécio é um zumbi político, não morreu porque os políticos têm a capacidade de morrer várias vezes e ressuscitar.

Quando foi?

Uma boa narrativa que nasceu da ficção