Os gols contra da equipe de Temer

Presidente Michel Temer.

Sem querer, mas já sendo repetitivo: mesmo nos raros momentos em que têm o que faturar, Michel Temer e os mais chegados dão um jeito de entornar o caldo.

Nas reuniões anteriores com líderes mundiais, Temer parecia deslocado nas fotos, com pinta de intruso. Na China, beneficiado pelo status de visita de Estado, ele apareceu em destaque com o presidente, o primeiro-ministro, o presidente do parlamento…

Com essa exposição, ganhou musculatura para chegar como um igual na reunião dos Brics. O que fez seu entorno? Vazou que ele voltaria antes da foto final do encontro para se preparar para a nova denúncia de Rodrigo Janot. Pegou mal.

Aí, tentaram corrigir. A volta antecipada de Temer seria para acompanhar votações de interesse do governo, como a nova meta fiscal, no Congresso. Seria desconfiar de quem ficou aqui com essa tarefa. Também não soou bem.

Depois desse bate cabeça, Temer anunciou que ficará até o final da reunião dos Brics. Ainda bem. Afinal, foi para justificar todos esses compromissos que ele levou uma delegação tão grande, repleta de ministros e parlamentares, verdadeiro voo da alegria.

Na manhã da sexta-feira (1), o IBGE anunciou um inesperado PIB positivo no segundo trimestre de 2017. Modesto, é verdade. Mesmo assim foi comemorado como grande notícia. Temer até bateu um bumbo por lá.

Aqui quem puxou o coro foi Henrique Meirelles. Disse que daqui para frente tudo vai ser diferente. Previu até crescimento de 3% ano que vem.

Mas, o Palácio do Planalto de novo resolveu disparar tiros no próprio pé. Já havia escrito aqui sobre as trapalhadas em relação ao decreto para a revogação de uma reserva na Amazônia.

Na noite da mesma sexta-feira, puseram água no chopp da equipe econômica. O Planalto divulgou uma nota, em nome de Michel Temer, que parecia ter sido redigida por adversários. Por vários motivos:

Primeiro, por substituir nas manchetes uma notícia que lhe era favorável por outra ruim, falha primária em qualquer estratégia de comunicação;

Segundo, por rebater em nota oficial a delação ainda em sigilo do operador Lúcio Funaro. Por qualquer ângulo, surreal. Michel Temer reagiu a algo que soube de forma ilegal, refutou no escuro, ou se antecipou justamente por saber de antemão do que se trata;

Terceiro, a linguagem usada em nome de Michel Temer no bate-boca com Joesley Batista é, como diria José Sarney, um atentado à liturgia do cargo. Joesley gravou Temer em uma conversa altamente suspeita. O risco de acusar o interlocutor de ser o grampeador-geral da República é de receber de volta a pecha de ladrão-geral da República.

Como diz o ditado, quem diz o que quer, ouve o que não quer.

A baixaria parece desespero de quem, no topo das elites política e econômica, não consegue explicar tamanha promiscuidade.

Simples assim.