Huck salta fora do caldeirão da política

Luciano Huck, Foto Rafael Campos/TvGlobo

Luciano Huck saiu da raia. Ele não quis cozinhar sua própria pele no caldeirão a feijoada maldita. Nada mais esperado, não obstante a efervescência na imprensa. Durante o Carnaval ele alimentou o noticiário político. Agora é cinzas.

O apresentador já dissera a seus patrões na Rede Globo, há semanas, que não seria candidato a nada. O refluxo do noticiário foi uma boa “tirada” do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso par dar um susto no PSDB, como declarou com todas as letras, mas ninguém acreditou.

As pessoas que conhecem o meio ambiente da comunicação (a grande imprensa em todas suas formas, em geral formada por empresas tradicionais), avaliavam que Huck já havia tomado a decisão. Voltar atrás seria jogar toda sua carreira na sarjeta. Quando disse à família Marinho, lá atrás, que não seria candidato, fechou a porta. O que não impediu, entretanto, que seu nome voltasse à baila e que ele próprio fizesse alguns movimentos suspeitos.

Huck é um apresentador, portanto, para a tevê, é a cara da emissora enquanto está no ar. Isto é muito sério para a instituição mídia; Huck é também um grande negócio para suas empresas, portanto, como diz o nome, trata-se de um “homem de negócios”, ou seja, uma pessoa que tem uma relação de confiança com seus parceiros. Pelo volume de seus patrocínios e a importância de seus anunciantes ele não pode ser leviano e ficar num vou-não-vou. Portanto, quando disse não era não, efetivamente. Voltar atrás (não respeitar o fio do bigode, dizia-se no passado) seria molecagem. Impensável.

Mas a coisa continuou. Não se pode negar de pés juntos que ele não tenha sentido o bater de asas do zumbido da mosca azul, mas também é certo que não se deixou seduzir pelo canto da sereia. Agora está numa sinuca: apoia ou não apoia alguém? Como cidadão teria esse direito e até mesmo o dever de ter um candidato, embora não seja obrigado a declarar. O voto continua secreto. Entretanto, Luciano já não é mais um eleitor comum. Botou o pé no barro, ficou marcado. Se declarar voto está ferrado.

A candidatura de Huck é produto de um sonho de um dos tecnocratas mais competentes do país, Paulo Guedes, hoje já bandeado para as fileiras de Jair Bolsonaro. É o ministro da Fazenda do capitão. Ele viu uma miragem nos 40 milhões de seguidores de Huck no Face book. Especulando, soube que o apresentador é uma pessoa politizada. Fechou.

Entretanto não é essa a realidade: o bom-moço seria submetido a um corredor polonês insuportável. Esta foi a experiência de outra unanimidade nacional do passado, o falecido empresário Antônio Ermírio de Morais. A contragosto ele topou candidatar-se para “salvar o Brasil”, como era o bordão de seus amigos que o levaram a aceitar concorrer ao governo de São Paulo. Foi um desastre. Ele perdeu a eleição e sofreu tanto que nunca mais recuperou sua espontaneidade.

Como tantas causas que estão em voga no Brasil trazidas dos Estados Unidos, também o lamaçal eleitoral é uma cópia grosseira dos maus costumes da grande nação do Norte. Certamente isto é uma das causas do pântano malcheiroso destes momentos de nossa História. Nenhum estado, nenhum sistema institucional resiste à tamanha desagregação. O caldeirão (sem a menor alusão ao Huck) cozinha uma feijoada composta por empresários corruptores e políticos corrompidos, misturados a políticos corruptores com empresários corruptos. Quem não compõe esta receita está fora do jogo. É isto que queriam entregar para o jovem paulista. Ele pegou seu boné a foi cantar na sua freguesia, onde todos são bons e só se vê alegria e otimismo. Melhor assim.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTemer anuncia criação do Ministério da Segurança Pública
Próximo artigoProdutores rurais do DF recebem patrulha de mecanização agrícola
Jornalista há mais de 40 anos na imprensa econômica, foi editor executivo da revista Exame, editor e diretor da Gazeta Mercantil, editor chefe do Jornal da Globo e diretor geral de Jornalismo da Rede Bandeirantes. Foi repórter dos jornais O Estado de S. Paulo e O Globo, das revistas Realidade e Veja. Na televisão foi integrante da bancada do programa Crítica&Autocrítica da Rede Bandeirantes e âncora do programa Primeira Página da TV Nacional de Brasília. Autor, dentre outros, dos livros “Os Senhores da Guerra” (L&PM Editores) e “Cem Anos de Guerra no Continente Americano” (Editora Record). Produtor e roteirista de longas-metragens.