A hora e a vez de Michel Temer

Presidente Michel Temer.

Houve um tempo em que a Loteria Esportiva era o grande jogo de sorte ou azar país afora. Ali podia-se cravar vitoriosos ou optar por palpites duplos e até triplos. Erros e acertos sempre podiam se neutralizar.

Michel Temer, nessa derradeira investida pela sobrevivência, busca apoio de quem trabalha com os três prognósticos. É uma batalha meio às cegas. Mais do que ninguém, especialista no jogo, ele sabe que o bônus da vitória, independente de quem vença, é a meta de todos.

O que embaralha tudo é que jogadores do mesmo time serão decisivos na vitória ou derrota dessa ou daquela equipe.

Com tantas alternativas, é o jogo em si que pode produzir seu próprio resultado. Por exemplo, a expectativa geral nessa segunda-feira (10) é sobre o relatório do deputado Sérgio Zveiter. É pule de dez que seu parecer será favorável a aceitação da denúncia contra Temer.

E se der zebra e for o contrário?

Para Michel Temer seria uma vitória inesperada, em um jogo em que perde pontos e apoios a cada dia, mas para quem põe a cara na luta para destrona-lo do poder nada altera. Esses dois times, minoritários, têm suas escalações públicas.

Eles, porém, não definem o placar e nem que será vitorioso.

O impacto do parecer do Zveiter, do mesmo PMDB do presidente da República, é se transformar na senha para a debandada de bancadas governistas em favor de Rodrigo Maia. Nada a ver com bons argumentos para convencê-los.

De uma maneira geral, como diria Leonel Brizola, os governistas estão costeando o alambrado.

A conferir.

Deixe seu comentário
COMPARTILHAR
Artigo anteriorSemana de expectativas, incertezas e esperanças
Próximo artigoCâmara ou Senado?
Andrei Meireles
Repórter de Política há mais de 40 anos, Andrei Meireles passou pelas redações dos jornais O Globo e Jornal de Brasília, das revistas IstoÉ e Época, foi comentarista político do boletim diário da revista Época na rádio CBN e colunista do Fato Online. Um dos mais premiados jornalistas brasileiros, tem dois prêmios Esso (de Reportagem em 2000 e de Jornalismo em 2001) e três prêmios Embratel (de Jornais e Revistas em 2001 e 2004 e o Grande Prêmio Embratel Barbosa Lima Sobrinho em 2009).